Brasil criará crédito para reciclagem de embalagens de defensivos

Ministro do Meio Ambiente também detalhou Programa Metano Zero em reunião da OCDE

Por
Brasil criará crédito para reciclagem de embalagens de defensivos
01deAbrilde2022ás13:54

O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, anunciou a criação de crédito para reciclagem de embalagens de defensivos e detalhou o Programa Metano Zero em Paris, na França.

As informações foram apresentadas durante reunião ministerial do Comitê de Política Ambiental da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). "Viemos mostrar que o País tem ações concretas na direção de uma nova economia verde", ressaltou Joaquim Leite.

Em reunião com o secretário-geral da OCDE, Mathias Cormann, Leite enfatizou o Brasil é parte da solução para o mundo criar uma nova economia verde neutra em emissões até 2050.

Segundo ele, o Brasil trata com prioridade as três áreas que nortearam a reunião: qualidade do ar, descarte de plásticos e mudança climática.

No tema dos plásticos, o Brasil já realiza logística reversa de 94% das embalagens de defensivos agrícolas. "No próximo mês, vamos criar o crédito de reciclagem e mostrar que o Brasil pode sim ajudar a eliminar embalagens de plásticos e vidro da natureza", completou.

Metano

No campo das mudanças climáticas, o País caminha com pioneirismo, com medidas concretas para reduzir emissões de gases de efeito estufa.

"Nós apresentamos o Programa Metano Zero, que vai reduzir as emissões deste gás. Quatro meses após a assinatura do Acordo do Metano, na COP26, o Brasil foi o primeiro país a fazer um programa específico", destacou o ministro.

Joaquim Leite detalhou o programa, que tem como objetivo transformar resíduos orgânicos dos setores de suínos, aves, laticínios, cana de açúcar e aterros sanitários em biometano, podendo chegar a reduzir em 36% as emissões de metano no Brasil.

O governo brasileiro antecipou que o país trabalha para estabelecer um Mercado Regulado Nacional de Emissões. "É um ponto importante para o Brasil ser um exportador de crédito para países poluidores que ainda utilizam muitos combustíveis fósseis", reforçou.

O próximo passo, segundo Leite, será o lançamento do Programa Renovar, focado na renovação de frota de caminhões, uma vez que 460 mil caminhões e ônibus com mais de 20 anos ainda rodam em estradas brasileiras.

O chefe da pasta de Meio Ambiente destacou ainda o robusto programa de biocombustíveis, como o etanol, o que diminui significativamente o índice de poluição do ar nas grandes cidades brasileiras.

Encontros bilaterais

Acompanhado do secretário de Clima e Relações Internacionais do MMA, Marcus Paranaguá, e da secretaria da Amazônia e Serviços Ambientais do MMA, Marta Giannichi, Joaquim Leite também manteve encontros bilaterais com autoridades dos Estados Unidos, França, Dinamarca, Suíça, Colômbia.

O ministro reforçou o compromisso do Brasil na busca por soluções climáticas lucrativas para todos, incorporando políticas de geração de energia limpa com o hidrogênio verde e as eólicas offshore.

"O futuro precisa de energia limpa e o Brasil será um grande exportador. Nosso potencial é gigantesco, com a eólica offshore, são 700 gigawatt de potência de alta atratividade econômica. Além disso, vamos poder exportar essa energia renovável através do hidrogênio verde", concluiu.

Cargando...