Embrapa participa da Conferência Internacional de Gases de Efeito Estufa e Pecuária

Brasil irá compartilhar resultados parciais da primeira Unidade de Referência Tecnológica (URT), construída com base no protocolo Carne Baixo Carbono (CBC)

Por |
Embrapa participa da Conferência Internacional de Gases de Efeito Estufa e Pecuária
31deMaiode2022ás17:34

A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) levará para os Estados Unidos os resultados parciais da primeira Unidade de Referência Tecnológica (URT), construída com base no protocolo Carne Baixo Carbono (CBC).

O CBC orienta criadores sobre manejo adequado de lavouras, pastagens e do gado, bem como o monitoramento da evolução dos teores de carbono no solo.

A construção da URT é parte das pesquisas brasileiras que se concentram na produção de alimentos alinhada com o desafio neutralizar ou mitigar as emissões de gases de efeito estufa (GEE) e conter as mudanças climáticas.

A Embrapa estará presente na 8ª Conferência Internacional de Gases de Efeito Estufa e Pecuária – (GGAA, sigla em inglês), um evento científico itinerante que ocorre a cada dois anos.

Vale lembrar que neste mês de maio, o governo brasileiro publicou o decreto 11075/2022, que visa rgulamentar regras do mercado de carbono no Brasil. Através do dispositivo, foi instituído o Sistema Nacional de Redução de Emissões de Gases de Efeito Estufa (Sinare), que passa a ser o único responsável pelos registros e autorizações do setor.  

Cerrado Brasileiro

A conferência internaciional será realizada entre dias 5 a 10 de junho, na Flórida (EUA). A Embrapa será representada pela pesquisadora da Embrapa Milho e Sorgo, Flávia Cristina dos Santos, coordenadora do Projeto Trijunção, que leva o nome da fazenda em que os experimentos foram realizados, localizada no município de Jaborandi, Bahia.

Ela irá apresentar o estudo sobre mitigação de gases de efeito estufa intitulado “Low carbon beef: a case study in a sandy soil from Brazilian Cerrado”, realizado entre  2019 a 2021. Ele avaliou estratégias para intensificar a pecuária de corte em áreas de uso consolidado em solo arenoso do bioma Cerrado brasileiro, no oeste do estado da Bahia. 

A pesquisa acompanhou produções de forragem, cobertura do solo, emissões entéricas, o Ganho de Peso Vivo (LWG) e as mudanças nos estoques de Carbono do Solo (dSOC) em uma  área experimental montada com três tratamentos: pastagem utilizando protocolo de carne baixo carbono, pastagem utilizando manejo convencional da fazenda e vegetação nativa do Bioma Cerrado.

O resultado foi que, com a adoção do protocolo de CBC, foi possível triplicar a produção de carne a pasto, sem aumento nas emissões de gases de efeito estufa per capita, e ainda gerar o efeito “poupa terra”. Além disso, a tecnologia proporciona maior acúmulo de carbono no solo em comparação com o manejo convencional.

Quem deve comparecer 

A 8ª conferência GGAA é o principal local para os cientistas da área de Gases de Efeito Estufa da Pecuária apresentarem trabalhos recentes.

Cargando...