Rebanho cresce, mas produção de carne bovina cai desde 2019

Abiec revela que Brasil consolidou-se como maior exportador em 2021

Por |
Rebanho cresce, mas produção de carne bovina cai desde 2019
03deJunhode2022ás10:53

O setor de pecuária bovina brasileiro aumentou o rebanho em 2,9% e o faturamento com as exportações em 8,4%, mas reduziu a produção de carne em 0,85% em 2021. As informações são do mais recente relatório anual da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), divulgado ontem (dia 2).

O Brasil produziu 9,71 milhões de toneladas do produto no ano passado contra 9,79 milhões de 2020, completando o terceiro ano seguido de redução no volume de carne produzida. Em 2018, o país produziu 10,77 milhões de toneladas.

A redução, no entanto, não ocorre por falta de animais. No mesmo período, o rebanho nacional, segundo os critérios da Abiec, aumentou, saindo de 187,5 milhões de cabeças para os atuais 196,4 milhões, ou 4,7% a mais desde 2018. Na comparação apenas entre 2021 e 2020, o aumento foi de 2,9%.

O valor bruto da produção (VBP) da pecuária de corte em 2021 foi de R$ 913,14 bilhões. Esse volume soma todos os negócios e movimentações relacionados à cadeia, incluindo desde valores dos insumos utilizados na pecuária, passando por investimentos em genética, sanidade animal, nutrição, exportações e vendas no mercado interno.

Exportações de carne bovina

As exportações de carne bovina alcançam 124 países e aumentaram 13,2% desde 2018, de 2,19 milhões de toneladas para 2,48 milhões de toneladas, consolidando-se como maior exportador global do item.

Estados Unidos, com 1,7 milhão de toneladas, e Australia com 1,41 milhão de toneladas, e Índia, com 1,2 milhão, e Argentina, com 823, mil são os outros principais exportadores.

Ainda assim, o volume total exportado significa cerca de um quarto da produção brasileira, 25,51%. Em outras palavras, 74,49%, ficaram no mercado interno.

Os principais destinos da carne bovina brasileira em 2021 foram a China com 723,6 mil toneladas (39,2%), Hong Kong com 219,9 mil toneladas (11,9%), Estados Unidos com 138,7 mil toneladas (7,52%), Chile com 110,5 mil toneladas (5,9%) e União Europeia com 77,2 mil toneladas (4,19%).

Considerando que Hong Kong tem autonomia, mas é submetida à China, 51,1% das exportações vão ao gigante asiático. “Em 2021 os embarques brasileiros atingiram US$ 9,2 bilhões, alta de 8,4% em relação a 2020”, relatou Antonio Camardelli, presidente da Abiec.

Cargando...