Produtora da Jordânia promete ampliar exportações de fertilizante ao Brasil

Ministro Marcos Montes visitou fábrica de potássio da Arab Potash Company (APC)

Por |
Produtora da Jordânia promete ampliar exportações de fertilizante ao Brasil
09deMaiode2022ás11:25

Maen Nsour, CEO da Arab Potash Company (APC), uma das maiores fabricantes de fertilizantes de potássio da Jordânia, disse no último sábado, dia 7, que a empresa concentrará esforços para ampliar suas exportações ao Brasil.

A declaração foi dada ao ministro Marcos Monte, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), durante visita as instalações da APC, na Jordânia.

A expectativa, de acordo com Nsour, é enviar até 1,2 milhão de toneladas, nos próximos cinco anos. A empresa também pretende abrir um escritório no Brasil para facilitar os negócios.

“Essa visita (da comitiva brasileira do Mapa) é um indicativo de que vamos construir uma relação estratégica de longa duração. Temos grandes planos para o mercado brasileiro, não só porque queremos aumentar a exportação, mas porque percebemos a importância do Brasil na segurança alimentar da humanidade”, destacou Nsour. 

Ainda segundo ele, somente em 2022, a APC deve exportar 320 mil toneladas de potássio para o Brasil.  "Viemos aqui conhecer essa impressionante fábrica e estamos acertando para que ela continue fornecendo potássio para nosso País", disse Montes, durante encontro, que contou também com a participação do embaixador do Brasil em Amã, Ruy Amaral.

A visita do Mapa à Jordânia foi decisiva para a decisão da APC em aumentar a oferta de potássio ao Brasil. A marca produz mais de 2,4 milhões de toneladas do insumo por ano, número que ajuda a Jordânia a ocupar o posto de 7º maior produtor mundial de potássio.

As operações da APC estão localizadas a 110 km ao sul de Amã, onde a Companhia produz quatro tipos de potássio: potássio padrão, fino, granular e industrial. O Brasil importa cerca de 85% de todo o fertilizante usado na produção agrícola nacional. No caso do potássio, o percentual importado é de cerca de 95%.

Atualmente, o Brasil é o quarto consumidor e em 2021, as importações brasileiras de fertilizantes foram superiores a 41 milhões de toneladas, o que equivale a mais de US$ 14 bilhões. 

 

Crise dos fertilizantes

Uma comitiva de integrantes do MAPA deixou o Brasil na semana passada para alinhar novos negócios e amenizar os impactos da crise mundial de escassez de fertilizantes – provocada com o conflito Rússia e Ucrânia. Depois da visita a APC, os representantes do governo brasileiro visitaram a cidade de Amã, onde se encontraram com o ministro da Indústria, Comércio e Abastecimento, Yousef Mahsmoud Al-Shamali, e com o ministro da Agricultura, Khaled Hnaifat.

Em ambos, o objetivo foi apresentar estratégias de novo fornecedores para fertilizantes para o Brasil. “Abordamos aspectos de colaboração entre os dois países na busca pela segurança alimentar, principalmente quando mantemos as ofertas de fertilizantes para garantir a produção de alimentos do Brasil", disse Montes. 

Já ministro da indústria da Jordânia destacou que o intercâmbio comercial entre os dois países está em US$ 420 milhões, mas a balança é mais favorável ao Brasil, com forte participação da proteína animal. O Ministério da Agricultura da Jordânia  garantiu que os procedimentos de importação serão prioritários para incrementar o comércio.

Além da Jordânia, os brasileiros têm na agenda encontros no Egito e Marrocos.

 

Cargando...