Cotações do milho e da soja sobem apesar de recordes de produção

Valorização do dólar e frente fria em regiões produtoras explicam alta

Por |
Cotações do milho e da soja sobem apesar de recordes de produção
16deMaiode2022ás10:10

Os preços do milho e da soja subiram no Brasil e no mercado global apesar da expectativa de safras recordes de grãos, segundo os indicadores do Cepea (Centro Estudos Avançados em Economia Aplicada).

A saca de soja subiu 1,2% entre os dias 6 e 13 de maio, saltando de R$ 193,91 para R$ 196,26. No mês, a valoriação é de 0,5%. Já a saca de milho, que abriu a semana passada aos R$ 86,15, fechou a R$ 86,54 na última sexta-feira com alta de 0,45%. No mês, ao contrário, o grão caiu 1,5%. 

Dólar influenciou preço da soja  

Segundo pesquisadores do Cepea, a valorização do dólar frente ao Real atraiu importadores para o Brasil, resultando em aumentos no prêmio de exportação e nos preços domésticos da soja. A moeda americana foi apreciada graças ao aumento histórico da taxa de juros no Estados Unidos.

Agora, as atenções de agentes estão voltadas à temporada 2022/23 no Hemisfério Norte. Segundo o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), a área mundial a ser cultivada com soja é estimada em 134,93 milhões de hectares, 3,65% maior que na temporada passada e um novo recorde.

A produção também é apontada para ser recorde, de 394,69 milhões de toneladas, 13% superior à safra passada. Para o Brasil, a área de soja é prevista pelo USDA em 42 milhões de hectares, um novo recorde, resultando em produção de 149 milhões de toneladas, 19,2% a mais que o estimado para a safra 2021/22 (125 milhões de toneladas). 

Milho reverte sequência de quedas

Apesar da expectativa de safra recorde no Brasil, os valores do milho voltaram a subir na semana passada, interrompendo, portanto, o movimento de queda diária consecutiva que vinha sendo verificado desde o encerramento de abril.

Segundo pesquisadores do Cepea, os preços domésticos foram influenciados pela apreensão de agentes com a chegada de uma frente fria em parte das regiões produtoras, que pode trazer geadas e, consequentemente, prejudicar o atual bom desenvolvimento das lavouras.

Esse cenário tem limitado o ritmo de negócios internos. Além disso, as cotações também foram impulsionadas pelas altas externas do cereal, que, por sua vez, subiram diante de estimativas oficiais indicando possível queda na produção mundial do cereal, devido ao clima desfavorável nos Estados Unidos e a dificuldades diante da guerra na Ucrânia.

Cargando...