Frente fria: produtores temem perdas irreparáveis com geadas

Declínio de temperaturas ameaça produção de milho e feijão da segunda safra, hortaliças e culturas perenes como o café, cana-de-açúcar e frutas

Por |
Frente fria: produtores temem perdas irreparáveis com geadas
18deMaiode2022ás09:38

Produtores rurais do sul e sudeste estão temerosos quanto ao impacto em suas safras da frente fria e geadas que chegaram ao Brasil nesta semana.

Após registro de geada em algumas regiões e alerta da possibilidade de novas ocorrências, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) reforçou o aviso de atenção para as culturas que poderão ser prejudicadas, especialmente milho e feijão da segunda safra no centro-sul do País (uma vez que se encontram em fases fenológicas sensíveis). 

O acentuado declínio de temperatura, que ocorre desde domingo, preocupa também o setor de hortaliças e das culturas perenes como o café, cana-de-açúcar e frutas.

Nota divulgada nesta quarta, dia 18, pelo Cepea/USP, reforça o alerta dos cafeicultores de praças do Sudeste e do Sul do País com o clima. A possibilidade de geada é citada como principal motivo de temor.

Ainda de acordo com o órgão, os produtores brasileiros já começaram as catações iniciais nos cafezais, especialmente no Sul de Minas e em Garça (SP). Porém a intensificação da colheira na maior parte das plantações está prevista apenas para o final deste mês e início de junho. Nas Matas de Minas, produtores já estão em um ritmo um pouco mais avançado.

Segundo o Inmet, o café, por ser uma cultura pouco tolerante ao frio, pode sofrer danos parcias e mesmo totais, em casos de temperaturas abaixo de 0°C. A ocorrência e intensidade de geadas podem ser amenizadas a depender do relevo e velocidade dos vento. 

Milho e Feijão 

Também as safras de milho e feijão são mais suscentíveis ao frio. Isso porque a queda de temperatura e a maior intensidade de geada podem ocasionar a ocorrência da temperatura letal, ou seja, uma temperatura que promove danos mais graves e irreversíveis às culturas.

Por exemplo, registros de temperaturas nas estações meteorológicas menores que 2°C na fase de florescimento podem comprometer a cultura do milho, enquanto 1°C nesta mesma fase, impacta severamente a cultura do feijão (o feijão é afetado por temperaturas mais altas que essa).

Cargando...