Paraná estima aumento de 10% na safra de grãos 2021/2022

Apesar de quebra na safra de soja, produtores têm perspectivas de aumento nas produções de milho e trigo

Por |
Paraná estima aumento de 10% na safra de grãos 2021/2022
30deMaiode2022ás11:00

Departamento de Economia Rural (Deral) estima um aumento de 10% na safra de grãos do Paraná em 2021/2022, na comparação com o ano anterior. 

O Deral, que integra a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), divulgou na última quinta (dia 27), que a previsão é atingir 36,86 milhões de toneladas de grãos, em uma área de 10,9 milhões de hectares. 

Porém, o relatório ainda considerou que parte da produção foi afetada pelo clima e que o número poderia ser ainda maior. A soja, como exemplo, teve seu ciclo concluído com 12 milhões de toneladas, equivalente a uma quebra de 43% em relação à estimativa inicial.

Milho em alta

Por outro lado, os produtores de milho safrinha seguem com boas perspectivas e esperam colher 16 milhões de toneladas. “Essa produção é importante para estabelecer um bom nível de oferta no Brasil, equilibrar os preços e também exportar”, avaliou o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

Se confirmado o número, será um aumento de 180%  com relação ao ciclo 20/21, bastante  prejudicado pelas condições climáticas.

O relatório do Deral ainda aponta ampliação de 9% na área plantada de milho.

Já os preços sofreram uma redução de 10% comparativamente ao ano passado. Na terceira semana de maio semana (de 16 a 20), os produtores paranaenses receberam, em média, R$ 82,69 pela saca de 60 kg.  

Aposta no feijão preto

O relatório de maio do Deral não apresentou impactos significativos das geadas das últimas semanas nas lavouras – somente registros pontuais em regiões mais frias do estado que cultivam feijão e milho.

Desta forma, a colheita de feijão atingiu 39% da área, com expectativa de ser prolongada até primeira quinzena de junho.  Na safra, o Paraná cultivou uma área de 303 mil hectares,  que é 11% superior à de 2021 (de 272,3 mil hectares).

Um curiosidade é que, ao contrário de outros anos, os produtores paranaenses apostaram mais no feijão tipo preto nesta safra.

Assim, a menor oferta de feijão tipo cores provocou aumento nos preços recebidos pelos produtores nos últimos 15 dias. Já o feijão preto sofreu uma considerável queda e chegou ao patamar mais baixo no mesmo período.

Em média, o preço recebido pelo produtor foi de R$ 410,00/sc de 60 kg pelo feijão carioca, aumento de 22% frente ao período anterior, e R$ 208,00/sc de 60 kg pelo feijão tipo preto, com aumento de 1% comparativamente à semana passada. Espera-se a produção de 601,9 mil toneladas de feijão no Paraná - 110% mais do que no ano passado.  

Trigo

Aproximadamente 53% da área de trigo no Paraná está semeada. E grande parte dos municípios do Norte do Estado concluíram o plantio, confirmando uma redução média de área de praticamente 10% na região, em função da concorrência com o milho. De acordo com o engenheiro agrônomo do Deral, Carlos Hugo Godinho, a área tritícola paranaense deve recuar 4% com relação à safra passada. Já a expectativa de produção permanece em 3,9 milhões de toneladas, sendo esse volume 21% superior ao obtido em 2021. 

Café 

Já a safra de café, de acordo com o Deral,  aponta quebra acentuada, especialmente em razão das geadas ocorridas no ano passado. Estima-se uma produção de 33,4 mil toneladas de café - 35% menor do que na safra anterior. O relatório completo está disponível no site da Seab. 

Cargando...