Conheça os agricultores da melhor grama para futebol do mundo

Irmãos dinamarqueses cultivam a variedade presente nas últimas três Copas do Mundo

Por |
Conheça os agricultores da melhor grama para futebol do mundo
27deJunhode2022ás13:34

Final de Copa do Mundo. Pênalti para o Brasil. Neymar corre para bater e escorrega... Argentina campeã. Uma catástrofe como essa poderia ser evitada se o tipo de grama utilizada fosse da espécie Poa Patensis, uma das melhores do mundo para campos de futebol.

Nós encontramos, na Dinamarca, dois agricultores responsáveis por parte da produção das sementes desta planta tão importante para milhões de torcedores do esporte mais amado do mundo, mas também aqueles que praticam ou acompanham o golfe, rugbi ou o turfe.

Os irmãos Johan e Michael Levy são a quarta geração de uma família de produtores e têm cerca de 800 hectares de área na região de Frederícia, no centro do país.

“A agricultura é a atividade de nossa família desde o século XIX. Variamos diversas culturas até chegar nas atuais. A grama especial é cultivada aqui desde 2018”, diz Johan.

Atualmente, produzem cevada, espinafre e a grama Poa Patensis, também chamada de Kentucky bluegrass. As lavouras da gramínea na fazenda dos irmão Levy ocupam cerca de 40 hectares, que produzem 40 toneladas dessas sementes por ano.

Alto valor agregado

A variedade é uma das favoritas para os gramados e esteve presente em todos as Copas do Mundo Fifa, ao menos desde 2010, ou seja, África do Sul, Brasil e Rússia, além de outros campeonatos por todo o mundo.

Além desses países, a espécie é usada em estádios na Inglaterra, Bélgica, Coreia do Sul, França, Holanda e outros em campeonatos nacionais.

Suas características são o preenchimento rápido de espaços lateralmente, resistência e recomposição, além de uniformidade sob condições variadas de sol ou hídricas.

Por isso, a semente é altamente valorizada, chegando a valer 3,6 euros por quilo ou quase R$ 20 reais por quilo, o que significa R$ 20 mil por hectare. 

Se um produtor médio de soja brasileiro faz 65 sacas de 60 quilos por hectare, ele fatura cerca de R$ 3500 por hectare. “A grama é um produto de alto valor agregado e exige muitos cuidados para garantir sua qualidade e padrão”, explica Johan.

Em quais estádios?

A produção das sementes de bluegrass dos irmãos Levy é vendida principalmente para a empresa holandesa Barenbrug, que a comercializa por todo o mundo.

Antes de ir literalmente a campo, a variedade é mesclada com outras espécies de gramíneas de acordo com a necessidade de cada região ou até mesmo o estilo de jogo dos times.

Segundo informações obtidas em sites especializados, a variedade está no Etihad Stadium (Manchester City, na Inglaterra), Gazprom Arena (do Zenit, na Rússia) e Estádio Mané Garrincha (em Brasília).

Preferem o Messi

Os dois irmãos Levy gostam de futebol e se orgulham de unir a agricultura com seu esporte favorito. Johan torce para um time local o HC Horsens e Michael para o Barcelona, da Espanha.

E é justamente por isso que é fã do jogador argentino Lionel Messi, que foi ídolo da equipe catalã por vários por quase 15 anos. “Ele é muito bom. Um grande jogador”, resume Michael.

Quando perguntado sobre Neymar, ele disse que não gosta, mas aposta que o grande campeão da Copa de 2022, provavelmente sobre uma grama cultivada em sua fazenda, será ou Brasil ou Argentina.

“Eu diria que será em um dos dois países, apesar de não ter bola de cristal. Faz tempo que não vencem e têm os melhores jogadores, com poucas exceções. Mas a Dinamarca também virá forte”, conclui o agricultor dinamarquês. 

Cargando...