Kuwait quer ampliar compra de gado brasileiro

Em visita ao Brasil, comitiva do Kuwait demonstrou interesse em ampliar relações comerciais

Por |
Gado Nelore no Brasil (foto - Getty Image)

Gado Nelore no Brasil (foto - Getty Image)

11deJulhode2022ás15:01

Representantes do Kuwait visitaram na semana passada a sede da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, em São Paulo, com intuito de fortalecer as exportações brasileiras para o País. 

O Kuwait está entre os 100 países que mais compram do Brasil, ocupando a 94ª colocação, segundo levantamento da consultoria FaxComex, com destaque para carne de aves e miudezas – cerca de 60% do frango consumido é brasileiro.

Milho e demais produtos da indústria de transformação também estão entre os principais itens de interesse.

O Brasil, por sua vez, importa basicamente enxofre a granel, para obter ácido sulfúrico para fertilizantes.

“O Kuwait já tem investimentos no Brasil, mas há boas perspectivas de novos investimentos. Vamos tentar encontrar produtos brasileiros que sejam competitivos no seu mercado e produtos kuwaitianos que sejam competitivos no Brasil”, disse Osmar Chohfi, presidente da Câmara Árabe.

Ele esteve reunido com subsecretário interino do Comércio e Indústria do Kuwait, Mohammed Al-Enezi, para ampliar as relações comerciais entre os países.

Também participaram do encontro os representantes do ministério kuwaitiano Ibrahim Khaledi, Ibrahim Attura e Tammy Al Muteri, além da diretora de Relações Institucionais da Câmara Árabe, Fernanda Baltazar, e do Relações Públicas da Embaixada do Kuwait em Brasília, Mario Neri.

Segurança alimentar

Al-Enezi (foto) ainda disse acompanhar a relevância mundial do Brasil quando o tema é segurança alimentar e produção agrícola e que vinda ao país é uma retribuição após encontro ocorrido no Kuwait.

“Nossa visita tem grande importância porque veio após a ida do secretário [de Assuntos Estratégicos da Presidência da República do Brasil] Flávio Rocha ao Kuwait, onde o assunto principal da pauta foi a segurança alimentar”, disse o subsecretário.

Ele reafirmou a forte relação que o Kuwait tem com o Brasil desde os anos 1960, e propôs a busca por novos meios para alavancar essa relação para alcançar patamares maiores. “Desde a fundação do nosso país [em 1961] o Kuwait tem uma relação tão saudável com o Brasil. Nós queremos principalmente que o comércio seja mais forte, porque os números que temos hoje não representam o potencial real dessa relação”, declarou.

Na ocasião, ele demostrou interesse em especial em ampliar as compras de gado vivo e sugeriu uma nova missão comercial com empresários kuwaitianos ao Brasil em setembro.

 

Temas en esta nota

Cargando...