Brasil exporta menos e fatura mais com café solúvel até junho

Receitas cresceram 34,6% para US$ 323,5 milhões, enquanto volume caiu 2,2%

Por |
Exportações de café solúvel registraram leve queda de 2,2%, na comparação com 2021. Crédito da imagem: Getty Images.

Exportações de café solúvel registraram leve queda de 2,2%, na comparação com 2021. Crédito da imagem: Getty Images.

18deJulhode2022ás15:53

O Brasil exportou 1,873 milhões de sacas (60 kg) de café solúvel no primeiro semestre de 2022, de acordo com relatório estatístico divulgado na sexta (dia 15) pela Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics). 

Com isso, a receita cambial foi de US$ 323,5 milhões entre janeiro e junho, o que indica uma alta em valor arrecadado de 34,6%, na comparação com o mesmo período de 2021. Já com relação ao volume exportado, houve queda de 2,2%. 

"O resultado do primeiro semestre é interessante diante da crise logística no comércio marítimo global e dos mais de quatro meses de conflito entre Rússia e Ucrânia”, avalia o diretor de Relações Institucionais da entidade, Aguinaldo Lima.

Para ele, o maior diferencial do período está no fato de que, apesar de confirmada a esperada queda nas exportações para Rússia e Ucrânia, de aproximadamente 126 mil sacas, os produtores brasileiros expandiram o comércio para outros países, acompanhando aumento na demanda mundial por café.

"A guerra fez com que as importações russas e ucranianas de café solúvel do Brasil caíssem, porém, por outro lado, as indústrias brasileiras ampliaram, de 45% a até 534%, suas vendas com outros 24 mercados, com destaque para Myanmar, Canadá, Reino Unido e Colômbia, que figuram entre os 10 principais destinos", afirmou Lima, em nota publicada no site da Entidade.

Ainda de acordo com o representante da Abics, e apesar do cenário estável do primeiro semestre, existe uma apreensão do setor para os próximos seis meses, principalmente com relação ao desempenho das vendas.

“Não há um cenário nítido para o futuro sobre logística, custos e guerra. Precisamos seguir monitorando constantemente e procurando soluções para mitigar os significativos impactos disso tudo", analisa. 

Estados Unidos lidera ranking de principais destinos

Os Estados Unidos seguem como principal destino do café solúvel brasileiro, sendo responsáveis por 20,6% do total importado no primeiro semestre.

Argentina, Indonésia e Japão são os próximos da fila respondendo por, respectivamente, 8,2%, 7,3% e 5,1%.

A Rússia, ainda segurada pelas importações feitas antes da guerra, fecha o “top 5” dos principais parceiros comerciais do café solúvel nacional, com representatividade de 5% – número, entretanto, que aponta em uma queda de 44,5% na comparação com 2021.

Já a China aumentou em 148,3% as importações do café solúvel brasileiro, também na comparação com 2021. "Os chineses vêm ampliando paulatinamente suas importações do solúvel brasileiro e, atualmente, ocupam a 28ª posição no ranking dos principais parceiros”, avalia.

Consumo interno tem pequeno avanço 

O consumo de café solúvel no Brasil, de janeiro ao final do mês passado, avançou discretos 0,2%. Desta forma, os brasileiros consumiram o equivalente a 478.998 sacas, contra as 478.182 sacas registradas no primeiro semestre do ano passado.

O relatório completo de desempenho das exportações de café solúvel do Brasil está disponível no site da Abics

 

Cargando...