Você já pensou em ter um trator elétrico?

Mais de 70 fabricantes de maquinários agrícolas já projetam este tipo de equipamento

Por |
Modelo Joker da John Deere, além de elétrico, utiliza esteiras para reduzir compactação do solo. (foto - divulgação)

Modelo Joker da John Deere, além de elétrico, utiliza esteiras para reduzir compactação do solo. (foto - divulgação)

01deAgostode2022ás12:44

O estudo “Electric Vehicles and Robotics in Agriculture 2020-2030”, realizado pela IDTechEx, detalha o potencial técnico e o interesse mercadológico pelos tratores elétricos e robôs agrícolas em alguns países.

A consultoria estudou a indústria de maquinários elétricos e robôs na agricultura do Japão, China, Reino Unido e EUA e as notáveis novas tecnologias que estão sendo adotadas ou mesmo previstas para o futuro.

Segundo a consultoria, ao mesmo tempo que carros elétricos começam a ganhar as ruas, inclusive no Brasil, os tratores elétricos e robôs também se tornarão mais presentes nas fazendas mundo afora, inclusive em nosso país.

Pode levar algum tempo já que, mesmo nos países mais avançados, poucas fazendas podem fornecer energia para carregar rapidamente um trator elétrico pequeno, muito menos grandes maquinários agrícolas.

Contudo, pelo menos 70 fabricantes de veículos agrícolas estão adotando a eletricidade em todo o mundo porque a capacidade de carregamento, a acessibilidade a pontos de energia e outros fatores estão se desenvolvendo rapidamente, assim como também para os veículos urbanos.

Entre elas, por exemplo, a Kubota, a John Deere, a Fendt, a Monarch, o Instituto Nacional de Criação de Máquinas da China anunciaram recentemente novos modelos de tratores elétricos. No final deste texto, você encontra vídeos destes cinco modelos.

Vantagens

O custo para operação de um trator elétrico tende a ser mais baixo com formas de geração de energia alternativas, como a energia eólica, solar ou biodigestores.

Outro aspecto importante é a sustentabilidade pela redução das emissões com estes modelos.

A Monarch Tractor, por exemplo, comparou o desempenho de seu trator elétrico e um modelo convencional a diesel e estimou uma economia de R$ 14,7 mil em combustíveis, além de redução de 15 toneladas em emissões de CO2, ao ano.

Contudo, a transformação vai muito além da simples troca do tipo de energia de tração. Os veículos agrícolas elétricos favorecerão modelos de equipamentos mais inteligentes, digitalizados e “habilidosos” para diversos tipos de culturas.

Ou seja, eles poderão operar autonomamente, colher FLVs com mais cuidado, operar em enxame, minimizar o uso de químicos e de água, evitar compactação do solo e realizar multifunções (análise de solo, plantar, colher, etc), entre outras.

A eletrificação e robótica caminham juntas para formar uma alternativa com uma série de vantagens em relação ao modelo à combustão convencional e encarar obstáculos estruturais que já vem sendo superados em alguns países.

Ou seja, o futuro das fazendas, segundo o estudo, será de maquinários elétricos. O que vai variar para os autores é o ritmo de adoção nos diferentes países e entre os produtores para efetivar conceitos de sustentabilidade, agricultura de ultra-precisão, autonomia e autossuficiência energética das fazendas, entre outras.

Confira alguns deles:

Cargando...