Faep aponta alternativas aos fertilizantes NPK

Dependência das importações pode ser mitigada com soluções sustentáveis

Por
Faep aponta alternativas aos fertilizantes NPK
01deAbrilde2022ás20:06

Os conflitos no Leste Europeu deixaram ainda mais visível a dependência do Brasil por fertilizantes estrangeiros. Atualmente, o país importa cerca de 80% de todo o fertilizante usado na produção agrícola nacional. A Rússia fornece aproximadamente 25% dos fertilizantes.

O Paraná recebe uma fatia significativa dos insumos NPK (nitrogênio, fósforo e potássio) do exterior, sendo o terceiro Estado que mais importa adubos e fertilizantes de outros países.

Em 2021, cerca de 3,5 milhões de toneladas chegaram às lavouras paranaenses. A China e a Rússia foram as maiores fornecedoras de nitrogênio, com 32,7% e 22,5%, respectivamente. Já o potássio, 29,6% provêm do Canadá, 25,4% da Bielorrússia e 21,3% da Rússia; e o fósforo, 45,3% da China e 29,1% do Egito. Os dados são do Sistema FAEP/SENAR-PR.

“Com as sanções impostas pelo Ocidente à Rússia, a oferta de fertilizantes pode ser comprometida no Estado. A China é um exportador que merece atenção, visto que sua política protecionista segura matérias-primas no mercado interno, principalmente gás natural e petróleo, encarecendo os fertilizantes nitrogenados. A Bielorrússia é um aliado histórico da Rússia e sofre as mesmas sanções do Ocidente, o que compromete a importação de potássio”, destaca Bruno Vizioli, técnico do Departamento Técnico e Econômico (DTE) do Sistema FAEP/SENAR-PR.

Segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o estoque brasileiro é suficiente para o plantio até outubro, quando começa a safra de verão. Enquanto isso, o órgão tem se mobilizado para tentar garantir o suprimento ao setor. Uma das alternativas seria o estabelecimento de novos fornecedores e aumento das importações de potássio do Canadá.

Uso de dejetos animais

O uso de bioinsumos de origem animal tem sido considerado uma alternativa viável para mitigar os riscos de uma possível falta de fertilizantes NPK, principalmente em regiões polos suinícolas, avícolas e leiteiras.

Segundo Volnei Pauletti, professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e especialista em produção vegetal e nutrição de plantas, é preciso considerar que, ao utilizar dejetos animais, sólidos ou líquidos, na adubação das lavouras, o tempo para liberação dos nutrientes é maior. “Esse esterco precisa ser mineralizado com atividade biológica para liberar os nutrientes na solução do solo, diferente do adubo mineral, que já passou pelo processo de solubilização”, explica.

Mesmo com um potencial de produção significativo, o uso de dejetos animais ainda esbarra, principalmente, em dificuldades logísticas para a comercialização. O custo do frete rodoviário, baseado no valor do quilômetro rodado, poderia inviabilizar a aquisição destes insumos para regiões mais distantes das granjas e aviários.

Segundo cálculos realizados pelo técnico do DTE do Sistema FAEP/SENAR-PR, na suinocultura, por exemplo, a distância economicamente viável para transporte seria de 11,8 quilômetros. Nessa conta, foi considerada uma tonelada de dejeto suíno com 3% de matéria seca, o custo de aplicação, o valor do frete por quilômetro e os valores do quilo de cada nutriente em fevereiro de 2022.

Uma solução logística que poderia favorecer o escoamento dos biofertilizantes é a criação de polos industriais para captação de dejetos e geração de energia. Na avaliação do técnico do DTE do Sistema FAEP/SENAR-PR, essa alternativa tornaria viável a instalação de uma central de biodigestor, onde pequenos e médios suinocultores concentrariam os dejetos da produção.

A maior dificuldade para transporte seria com os dejetos líquidos, provenientes de suínos e bovinos. Como a concentração de nutrientes é mais baixa nesse estado, a inviabilidade aumenta conforme a distância. “Uma estratégia seria secar o material que sai do biodigestor. Nesse caso, é preciso considerar que há um custo com a energia, mas que poderia ser sanado com o uso do biogás nos secadores”, aponta Vizioli.

Indústria organomineral

O cenário abre possibilidade para a criação de indústrias que processem os dejetos animais, tornando mais fácil a aplicação no solo. Os fertilizantes organominerais são combinações de fontes orgânicas, como o esterco animal, com nutrientes minerais, fabricados industrialmente. Essa tecnologia representa uma alternativa promissora para a destinação segura dos resíduos animais e uma oportunidade de inovação no setor de fertilizantes.

A corrida por fertilizantes no mercado externo reabre uma discussão: por que o Brasil se tornou tão dependente dos insumos importados? Na avaliação dos especialistas, diversos itens podem ser pontuados nessa lista, desde questões tributárias, logísticas e ambientais que travam a produção nacional, até tecnologias insuficientes para explorar as matérias-primas necessárias.

Neste mês de março, o governo federal lançou o Plano Nacional de Fertilizantes (PNF), num esforço para fortalecer a produção interna e reduzir a dependência das importações. As ações do PNF devem balizar o setor nos próximos 28 anos. A perspectiva é que o Brasil atinja até 60% de produção própria de fertilizantes até 2050.

Jazidas

O cenário de incertezas em relação ao fornecimento externo de fertilizantes apontou para algumas necessidades, como incentivos fiscais e outras medidas para estimular o ingresso de fábricas no Brasil e a exploração de novas jazidas minerais.

“Há diversas solicitações de autorização de lavra de indústrias de fertilizantes potássicos em andamento, porém, como as importações eram suficientes, não houve incentivo à indústria nacional e exploração dessas rochas”, constata Bruno Vizioli.

Conforme o Sistema FAEP/SENAR-PR, é preciso considerar que a exploração mineral para a fabricação de fertilizantes apresenta resultados a longo prazo. São entre cinco e 10 anos para iniciar a produção em jazidas nunca exploradas, e de um a dois anos para minas já instaladas. 

Cargando...