Brasil firma parceria com Israel para mais inovação no agro

Integrantes do Mapa foram conhecer melhor o ecossistema de agtechs do país

Por |
Brasil firma parceria com Israel para mais inovação no agro
20deMaiode2022ás12:33

O Brasil foi “beber na fonte” em um dos países com ecossistema de agtechs mais ativos do mundo. Isso porque, na última semana, representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) viajaram para Israel, país que é referência em inovação no setor agropecuário

O objetivo missão brasileira em Israel foi justamente alinhar formas de estreitar parcerias de cooperação governamental para alavancar o setor nacional. E o primeiro “fruto” já foi colhido.

Ontem, dia 19, foi assinado um memorando de entendimento entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Agricultural Research Organization (ARO) - Volcani Center, órgão de pesquisa governamental ligado ao Ministério da Agricultura israelense, e responsável por mais de 75% da inovação do país no setor agrícola

O documento aborda a cooperação entre as instituições em temas como utilização de drones para a agricultura digital/sensoriamento remoto, irrigação de precisão, biotecnologia, nanotecnologia e bioeconomia. 

“A missão do Mapa em Israel evidenciou a revolução que a tecnologia fez no agro israelense. O Brasil precisa investir cada vez mais em inovação para que, além de commodities, possamos exportar ciência e tecnologia”, afirmou o secretário de Inovação, Desenvolvimento Sustentável e Irrigação do Mapa, Fernando Camargo. 

O Brasil espera que a parceria com Israel dê ainda mais visibilidade ao Programa Agro Hub Brasil, cujo objetivo é mobilizar o ecossistema de inovação agropecuária do Brasil e conectá-lo com os principais hubs e centros de excelência mundiais. 

Missão em Israel 

Para acelerar a inovação no agronegócio, o Brasil quer saber mais sobre como Israel vem subsidiando ações de incremento (pensando também na iniciativa privada) e sobre políticas públicas dos últimos anos, pensando em benefícios que pdoerão ser a partir das novas tecnologias.

Na visão do Coordenador-Geral de Inovação aberta do Mapa, Daniel Trento, a missão foi importante não só para prospecção de modelos e tecnologias, mas principalmente, para promover a troca experiências e compartilhar um pouco do que o Brasil tem feito. “A comitiva conheceu experiências relevantes nas temáticas de inovação aberta, proteínas alternativas, agricultura digital e soluções para o seminário árido”, avalia. 

Além dos temas de inovação, a agenda incluiu tratativas relacionadas à abertura de mercado para frangos e pescados brasileiros e o comércio internacional de adubos e fertilizantes químicos, produtos exportados por Israel e fundamentais para a produção agropecuária brasileira. 

Cargando...