Nanotecnologia reduz em até 80 vezes o uso de químicos

Estudo da Unesp e da UEL prepara o futuro do controle de pragas e doenças

Por |
“Nano” ou “nanotecnologia” é a manipulação de materiais em uma escala 1 milhão de vezes menores que um metro. (Foto: Unesp)

“Nano” ou “nanotecnologia” é a manipulação de materiais em uma escala 1 milhão de vezes menores que um metro. (Foto: Unesp)

03deAgostode2022ás09:30

Um grupo de cientistas brasileiros usa a nanotecnologia para reduzir o uso de produtos químicos de controle de ervas daninhas em até 80 vezes.

Desenvolvida em parceria entre a Unesp (Universidade Estadual Paulista) e a UEL (Universidade Estadual de Londrina), a pesquisa aplica diferentes sistemas de transporte “nano” para aplicações agrícolas.

“Nano” ou “nanotecnologia” é a manipulação de materiais em uma escala 1 milhão de vezes menores que um metro. Assim, teoricamente, esta técnica pode aumentar a eficiência do uso de fertilizantes ou produtos químicos.

Testes a campo

No experimento, os cientistas brasileiros usaram nanoformulação de atrazina e atrazina comercial para fins de comparação em mostarda, milho e quatro tipos de ervas daninhas.

Os testes foram realizados pelo grupo coordenado pela Dr. Halley Caixeta Oliveira em laboratório, estufa e a campo na UEL para entender a eficiência no controle de ervas daninhas por meio da nanoencapsulação do ingrediente ativo.

“Estávamos tentando entender a interação entre nanopartículas e plantas, usando um esquema de hidroponia e análise de imagens. No caso do milho, utilizamos variedades tolerantes ao princípio ativo do herbicida para descartar efeitos deletérios”, disse Oliveira.

Através de aplicações foliares, a nanopartícula contendo atrazina apresentou maior taxa de absorção e inibição mais rápida da atividade fotossintética das plantas daninhas. Em outras palavras, a nanoencapsulação potencializou a atividade da atrazina para todas as variedades de plantas testadas.

Até 80 vezes menos químicos

Além disso, eles usaram muito menos produtos químicos. No caso de plantas daninhas economicamente importantes como o pica-pau (Bidens pilosa) e o caruru (Amaranthus viridis) em dose 10 vezes menor que a recomendada comercialmente (200 g ha− 1 versus 2000 g ha− 1).

“Resultados promissores também foram encontrados no controle de ervas daninhas de difícil controle e tolerantes ao princípio ativo, como é o caso do capim amargo”, explica o Dr. Leonardo Fernandes Fraceto, da Unesp.

Em outros testes, uma composição e modo de preparo diferente usou 80 vezes menos atrazina para controlar a mostarda (Brassica juncea). “Ainda em relação à atrazina de nanopartículas na forma pré-emergente, obtivemos eficiência 8 vezes maior. No entanto, o desempenho depende da espécie”, acrescentou.

Vantagens para os agricultores

Para os agricultores, as vantagens seriam menos uso de agrotóxicos em áreas agrícolas, impacto ambiental mínimo e aplicações mais seguras, além de auxiliar no manejo de plantas de difícil controle, aumentando a eficiência dos ingredientes ativos.

“Vai também favorecer a produção de alimentos com menos resíduos de agrotóxicos. Assim, os produtos agrícolas teriam menos riscos e aumentariam a segurança alimentar, enquanto os impactos ambientais diminuiriam”, disse Bruno Teixeira de Sousa, doutorando da UEL.

Próximos passos

Segundo os cientistas, já existem inúmeras iniciativas de nanotecnologia em centros de pesquisa, universidades e empresas e cada vez mais novos produtos.

“A evolução da nanotecnologia na agricultura é uma realidade. Nossas pesquisas serão desenvolvidas para controle de pragas e doenças visando diversas aplicações em prol de uma agricultura mais sustentável”, comentou Dr. Leonardo.

Ele vê a nanotecnologia como alternativa para aplicação de outros pesticidas, fertilizantes, moléculas bioestimulantes e diversos produtos. “Nosso grupo iniciou uma nova linha de pesquisa, com insumos biológicos para uma alimentação mais sustentável. Estamos interessados ​​em compostos naturais e estratégias baseadas em modelos já existentes na natureza”, disse o Dr. Leonardo.

 

Cargando...