Agro acumula superávit de US$ 43,7 bilhões de janeiro a abril

Exportações do setor registraram alta de 34,9% no mesmo período, diz Ipea

Por |
Agro acumula superávit de US$ 43,7 bilhões de janeiro a abril
19deMaiode2022ás16:27

A balança comercial do agronegócio brasileiro apresentou superávit de US$ 43,7 bilhões no acumulado de janeiro à abril de 2022, de acordo com dados divulgados hoje (dia 19) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). 

No mesmo período, as exportações registraram alta de 34,9%, enquanto as importações mantiveram-se estáveis, com pequeno aumento de 0,7%, na comparação com o mesmo período de 2021. Para o Ipea, a alta nos preços internacionais das commodities, principalmente as agropecuárias, explica o desempenho do País no primeiro quadrimestre.

Como saldo, a balança comercial do agronegócio total ficou com um caixa de US$ 43 bilhões, contra US$ 31,1 bilhões do mesmo período de 2021. Já o saldo de todos os setores, ou seja, considerando outros produtos da economia, apresentou superávit de US$ 20,2 bilhões.

Dados do Ipea apontam ainda que o agronegócio brasileiro teve um mês de abril decisivo para os números do período. Isso porque, somente no mensal, foi atingida a marca de US$ 14,9 bilhões nas exportações, fato que contribuiu para um superávit de US$ 13,6 bilhões no saldo da balança comercial do setor, e um crescimento de 15,2% frente ao mesmo mês de 2021.

Vale destacar que o setor de demais bens – onde contam todos os produtos comercializados, exceto os produtos do agronegócio – fechou abril com déficit de US$ 5,5 bilhões - ou seja, US$ 3,7 bilhões a mais que no mesmo período do ano anterior. 

Crescimento geral 

As importações brasileiras do agro totalizaram US$ 1,3 bilhão no mês, com alta de 11,7% na comparação interanual. Já quando relacionado com o mês de abril de 2021, o crescimento foi de 14,9% do valor exportado, número que mantém a tendência de alta observada desde fevereiro de 2021.

Para Ana Cecília Kreter, pesquisadora associada do Ipea, que participou do estudo e dos indicadores, os resultados sinalizam que desde dezembro do ano passado o Brasil tem exportado mais, em valor, do que nos anos anteriores. “Em abril deste ano, as exportações foram 81,6% maiores que em 2019, 52,3% maiores que em 2020, e 14,9% maiores que em 2021”, destacou Kreter.

Soja lidera exportações

A soja ainda lidera as exportações do agronegócio no país, mesmo com a atual queda. Comparando com  abril do ano passado, a soja em grão registrou reduiziu o volume exportado (muito por conta sobre oferta de carne suína da China). Com isso, ficaram maiores os estoques de carne congelada e menores os investimentos da reposição do rebanho, reduzindo também a demanda por rações. Em abril, o valor exportado da soja teve leve alta, motivado pelo aumento de 41,8% no preço do grão, ante abril de 2021.

Já os preços médios de exportação da carne bovina seguem elevados no primeiro quadrimestre de 2022, e muito por conta da demanda chinesa. Por sua vez, as exportações de carne suína seguem aquém do ano passado, tanto em preço, quanto em volume, em razão da sobreoferta na China. Neste cenário, houve um aumento de 27,2% no preço médio da carne de frango  e de 5,6% nas quantidades exportadas da proteína da ave. 

Outro item que merece destaque é o trigo. Os preços do cereal seguem pressionados no mercado externo em razão do conflito entre Rússia e Ucrânia.  E vale destacar que o maior preço médio verificado em abril do ano passado deve-se essencialmente à distorção estatística decorrente de um volume de embarques próximo a zero naquele mês, mais do que às condições de mercado.

Os bons resultados das exportações em março e abril são explicados pela safra recorde em 2021-2022, porém o volume enviado ao exterior em abril foi cerca de um sexto do registrado em março, tendência que deve se repetir ao longo dos próximos meses. As importações do cereal, por sua vez, retornaram aos patamares de anos anteriores – como era esperado à medida que a safra doméstica fosse sendo comercializada.

Crescimento em quase todos os produtos

 A nota do Ipea destaca que, no total, o valor das importações cresceu 11,7% em abril, reflexo do aumento geral de preços. Não por coincidência, dos 16 produtos acompanhados pelo instituto no período, 14 tiveram alta de preços, enquanto nove tiveram queda nas quantidades, incluindo quatro dos cinco itens mais expressivos da pauta de importações: pescados, produtos hortícolas, papel e malte.

O estudo inclui também breve análise sobre fertilizantes, que vive momento mundial de escassez. Em abril, a entrada de adubos e fertilizantes no país foi 72,4% superior ao verificado no mês em 2021. Já no acumulado do ano, o aumento foi de 6,4%.

 

Cargando...